Governador recebe representantes da Agência Internacional de Cooperação Japonesa

131

 

Visita Japoneses - Foto pedro Barbosa (3)

A filosofia de Polícia Comunitária do Japão dominou a conversa nesta terça-feira, 27, durante a audiência do governador Marcelo Miranda, no Palácio Araguaia, com a oficial da Polícia Nacional do Japão e perita de longo prazo da Agência Internacional de Cooperação Japonesa (Jica), Hisana Ohashi. Acompanhada do coordenador de projetos da Jica, Nobuyuki Mimura, ela encontra-se no Tocantins com representantes da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), a fim de acompanhar as atividades de prevenção criminal, fundamentadas pela filosofia de Polícia Comunitária, fruto do Acordo de Cooperação Técnica para difusão do policiamento comunitário em âmbito estadual.

 

Segundo Marcelo Miranda, a discussão veio em momento oportuno. Disse reconhecer a importância do intercâmbio de conhecimentos com os japoneses para desenvolver políticas públicas de Segurança no Estado. “O conceito de Polícia Comunitária executado no Japão vem ao encontro do que defendemos no Tocantins, porque prioriza a sociedade, e não será difícil implementá-lo no nosso Estado”, comentou.

 

Hisana Ohashi agradeceu a receptividade por parte do governador e disse que, apesar do pouco conhecimento sobre o Tocantins, já foi possível perceber o aspecto humano dos tocantinenses, importante no processo de implantação do conceito de Polícia Comunitária. “A primeira impressão é de um povo caloroso, que pensa no próximo e isso é um fator importante para o sucesso de um projeto de polícia comunitária”, destacou.

 

O coordenador geral de Programas Estratégicos da Senasp, Luciano Ramos Ribeiro, explicou que as atividades de prevenção criminal, fundamentadas na filosofia de Polícia Comunitária, resultam do Acordo de Cooperação Técnica entre o Ministério da Justiça, a Jica e os estados. “O Japão possui um histórico nessa relação com a comunidade e o ganho está justamente nessa parceria entre o policial e a comunidade. Precisamos mobilizar a comunidade e inseri-la nesse contexto para promovermos uma segurança de qualidade”, resumiu.

 

Presente na audiência, o capitão Tiago Monteiro, que participou de um curso sobre Polícia Comunitária no Japão, falou sobre as experiências vivenciadas. Ele explicou que um dos principais fatores é a relação de confiança existente entre policiais e a comunidade. “Com a criação de uma cultura de segurança conseguem prevenir bastante a criminalidade. Aqui no Tocantins nós podemos trabalhar esse aspecto da cultura de segurança, de forma que cada cidadão sinta-se parte do processo, adotando políticas individuais e coletivas, que possam minimizar a conduta do agressor social”, explicou ele, citando o Proerd como um exemplo de ação no Tocantins.

 

Participaram da audiência o comandante geral da Polícia Militar, coronel Glauber de Oliveira Santos; o comandante do Corpo de Bombeiros Militar, Coronel Yuri Tenório; o secretário chefe da Casa militar, coronel Raimundo Bonfim; e o secretário da Segurança Pública, César Simoni.

 

Sua opinião é muito importante: