Eleições UFT: Conselho ignora urnas em lista para o MEC; Chapa repudia

1776

A Universidade Federal do Tocantins (UFT) realizou no dia 8 deste mês as eleições para novo reitor e vice, no entanto, apenas duas chapas participaram das eleições formalmente, porém, na hora de fazer a lista tríplice dos indicados, o Conselho Universitário (Consuni) colocou como se houvessem disputado três chapas e pôs em segundo lugar candidatos que não disputaram as eleições.

Bovolato-e-Ana-Lucia-1

A chapa “Viver a UFT”, liderada pelo atual reitor da universidade, Luís Eduardo Bovolato, com a professora Ana Lúcia Medeiros de vice, venceu a eleição com 77,57% dos votos da comunidade acadêmica. A chapa “UFT Forte”, liderada pelo professor Adão Francisco de Oliveira, ex-secretário de Estado de Educação, e a diretora de Comunicação da UFT, professora Marluce Zacariotti, como vice, ficou com 22,42% dos votos, só que na lista tríplice do Consuni aparece em 3° lugar.

O resultado da pesquisa eleitoral com as duas chapas, foi levado ao Consuni para encaminhar ao Ministério da Educação (MEC) a lista tríplice com a indicação de nomes para o mandato dos próximos quatro anos à frente da Reitoria (2017-2021), em função da vacância do cargo de reitor ocasionada pelo falecimento de Isabel Auler, ocorrido dia 1° de maio.

O outro lado

Gazeta do Cerrado tentou entrar em contato com o Presidente do Consuni, Luiz Eduardo Bovolato, por telefone, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.O espaço continua aberto.

Pesquisa

 A Pesquisa Eleitoral é uma consulta informal à comunidade universitária realizada tradicionalmente pelas representações das três categorias da Instituição – docentes, técnicos administrativos e discentes – com a finalidade de verificar os nomes com maior respaldo para serem indicados aos cargos de reitor e vice-reitor.

A pesquisa teve a participação de 3.934 eleitores, um comparecimento que representa cerca de 19% do total de 20.533 integrantes da comunidade universitária aptos a votar nos sete câmpus da Instituição. Votaram 606 docentes, 567 técnicos e 2.761 estudantes, sendo que a Chapa “Viver a UFT” obteve a maioria dos votos em todas as categorias.

O professor Adão Francisco que encabeçou a chapa “UFT Forte” lançou uma nota de repúdio sobre a lista alterada das eleições.

 Segue a nota na íntegra:

Em tempos sombrios e de pouca esperança, o que se pode esperar da universidade, especialmente a pública, é que ela aja, a partir de seus gestores, como exemplo para o restabelecimento da democracia e da moral republicana. A afronta fortuita a grandes decisões coletivas não fortalece em nada a luta pela ordem política e social. Pelo contrário, joga sobre a instituição a suspeição de não ter idoneidade, espírito critico e postura assertiva  frente ao contexto de trevas.

 A decisão do Consuni (Conselho Universitário) da UFT de não referendar a Consulta Eleitoral da universidade, redesenhando a lista tríplice com uma chapa que não participou da eleição colocando-a no segundo lugar do pleito, é não apenas medonho como vergonhoso. Não questionamos a expressiva vitória dos primeiros colocados, mas a arbitrariedade do Consuni frente a vontade da comunidade e a nós, colegas de trabalho, que nos propusemos a participar do pleito, dando legitimidade democrática ao processo.

Pior do que afetar a mim, à professora Marluce Zacariotti e aos colegas que estiveram diretamente conosco na construção de novas e melhores possibilidades para a UFT, essa decisão afeta a 22% da comunidade votante e macula um importante arranjo institucional que garante soberania ao conjunto de nossa comunidade.

 Que o espírito crítico, democrático e republicano volte a ser o nosso guia!

Texto: (Colaborou Hellen Maciel)

Edição: Maria José Cotrim

Sua opinião é muito importante: