Jovem mata namorado com um tiro ao gravar vídeo para o YouTube

468

1498721832_037828_1498726809_noticia_normal

“Pedro e eu provavelmente vamos gravar um dos vídeos mais perigosos jamais vistos. Foi ideia dele, não minha.” Isto é o que contava a norte-americana Monalisa Pérez, de 19 anos, no seu perfil do Twitter instantes antes de atirar no peito do seu namorado diante de duas câmaras. Pedro Ruiz, de 22 anos, morreu imediatamente, e ela foi levada a uma prisão do Estado de Minnesota (norte dos EUA), acusada de homicídio doloso não premeditado, segundo a agência Associated Press. A intenção do casal era criar um vídeo que viralizasse no YouTube.

https://twitter.com/MonalisaPerez5/status/879459393145888768

Segundo o boletim de ocorrência, Pérez, grávida de 7 meses, confessou ter disparado contra Ruiz na segunda-feira passada, enquanto ele segurava um livro à altura do peito. O tiro partiu de uma pistola Desert Eagle calibre 50, uma das armas curtas mais potentes do mercado, e a uma distância de 30 centímetros. A bala atravessou o livro e atingiu o peito do rapaz. Não se sabe como o casal obteve a arma usada no vídeo.

A sequência foi gravada no banco de trás de um carro, com a intenção de ser publicado no canal do casal no YouTube, chamado LaMonaLisa, que tem 2.000 seguidores. Seus autores descreviam esse perfil como “uma amostra do dia a dia de um casal de pais adolescentes, com suas idas e vindas, suas realizações e suas dificuldades”.

Foi a própria Monalisa Pérez quem chamou a polícia depois do tiro, alegando ter “disparado acidentalmente contra o namorado”, segundo a emissora NBC News. Em seu depoimento, ela relatou que Ruiz “tinha praticado o truque anteriormente”, atirando em livros. Para convencer a namorada, passou semanas mostrando como as balas não haviam atravessado totalmente as páginas de nenhum desses volumes. Agora, a jovem pode ser condenada a 10 anos da prisão e multa de 22.000 dólares (72.700 reais).

Jovem mata o namorado com um tiro ao gravar vídeo para o YouTube

A família da vítima disse a uma TV local, afiliada da ABC News, que o casal havia comentado sobre seu desejo de criar vídeos impactantes para se tornarem um fenômeno viral. A conta deles no YouTube contém uma seleção de gravações postadas desde o mês passado em que eles mostram sua vida junto da filha de três anos e suas vivências durante a segunda gestação dela.

Alguns dos vídeos se baseavam em pegadinhas inofensivas inventadas por ele, como colocar talco em vez de açúcar no donut da namorada, espalhar cera quente de uma vela acesa sobre o corpo dela ou salpicar pimenta num sanduíche.

Sua opinião é muito importante: