Alerta: produtores não devem praticar queima controlada

193

352029_1000

Como acontece todos os anos o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), emitiu nesta quinta-feira, 29, a Portaria Nº 233/17, que suspende a emissão e a vigência das Autorizações Ambientais de Queima Controlada. Entre os  motivos da suspensão, está a ocorrência de ventos fortes, a falta de chuva, a  baixa umidade do ar e a massa vegetal seca, comuns no Estado nessa época do ano. Fatores que aumentam o risco de incêndios florestais. A medida visa prevenir danos ao meio ambiente.

O produtor rural que possui a Autorização para realizar a queima controlada não poderá realizar esta prática no prazo de quatro meses, ou seja, de 30 de junho de 2017 a 30 de outubro de 2017, período que o Naturatins não emitirá a autorização para a queima controlada. O órgão informa que o produtor que não cumprir a portaria estará sujeito a multas e outras penalidades.

O presidente do Naturatins, Herbert Brito (Buti) alerta, “os produtores não devem praticar a queima controlada, visto que podem colocar em risco o patrimônio natural, já que se torna difícil o controle do fogo especialmente neste período de ventos fortes”, frisa o gestor.

O Naturatins informa que o monitoramento e combate aos focos de calor é de responsabilidade de vários órgãos ambientais. Cabendo a instituição este trabalho em Unidades de Conservação (UCs) como o Parque Estadual do Jalapão, Cantão, Lajeado, Monumento Natural das Árvores Fossilizadas e as respectivas Áreas de Proteção Ambiental dessas unidades (Apas). Nestas Unidades foram implementadas ações preventivas como o Manejo Integrado do Fogo (MIF). Tais medidas foram realizadas com a intenção de evitar incêndios de grandes extensões.

Recentemente por meio da Brigada Contra Incêndios Florestais, do Parque Estadual do Lajeado (PEL), foi realizada uma queima controlada às margens da TO-020, rodovia que faz limites com a Unidade de Conservação. As referidas medidas foram encerradas devido aos ventos fortes que espalham as chamas com muita rapidez.

Esta facilidade acontece quando a faísca se aproxima da vegetação, provocando a explosão e o espalhamento do fogo. Vale registrar que a sete anos, não há registros de incêndio no interior do Parque, devido a iniciativas de prevenção as queimadas.

Neste sentido o presidente do Naturatins, Herbert Brito (Buti) reforça que o Instituto também auxilia no combate aos incêndios florestais com diversos programas. “Por meio da equipe de Educação Ambiental, o Naturatins tem realizado um forte trabalho de sensibilização nos municípios, a exemplo da adesão do Protocolo do Fogo, pelos municípios”, relatou.

O gestor explica que o órgão também incentiva os municípios a formarem suas Brigadas de Prevenção e Combate aos Incêndios. “Todo este trabalho é desenvolvido em parceria com órgãos como a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Ibama, Instituto Chico Mendes, Guarda Metropolitana Ambiental de Palmas, dentre outros, frisou o presidente.

Em 2016, o Naturatins por meio do trabalho de sensibilização realizado pela Superintendência de Gestão Ambiental, recebeu o apoio de segmentos organizados da sociedade e das prefeituras, quando ocorreu a adesão de 75 municípios que aderiram ao Protocolo do Fogo. Este ano foi assinados 13 protocolos. Para a realização do trabalho de controle e combate às queimadas deste ano, o Naturatins contratou 60 brigadistas.

Queima controlada

A queima controlada poderá ser realizada em situações como reduzir o acúmulo de material combustível florestal, que poderá ser qualquer material orgânico, controle de espécies indesejáveis, melhorias do habitat para a fauna silvestre, controle de parasitas e doenças, para e melhoria de pastagens dentre outras.

Protocolo do Fogo

Através de mobilização popular nos municípios, o programa tem como objetivo implantar Protocolos Municipais de Prevenção e Controle do Uso do Fogo, visando reunir instituições organizadas para se comprometerem no desenvolvimento de ações sustentáveis, tendo em vista a redução significativa de impactos gerados pelo uso indiscriminado do fogo.

Sua opinião é muito importante: