Ações de controle da raiva percorrem a região sul do Tocantins

286

 

Exibindo José Veloso (1).jpg

Em continuidade as ações de controle da raiva na região sul do Estado, as equipes da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) iniciaram na quinta-feira, 6, captura e monitoramento de abrigos dos morcegos hematófagos, nas propriedades rurais do município de Talismã. Até a próxima terça-feira, 11, os profissionais terão percorrido os municípios de Alvorada e Cariri. O objetivo é atender as demandas dos produtores da região e reforçar a capacitação dos agentes de saúde comunitários. A ação conta com o apoio da Secretaria de Saúde estadual e municipal.

Exibindo José Veloso (2).jpg

Considerado o maior transmissor da raiva na zona rural, o morcego hematófago necessita de um controle populacional. Os técnicos da Agência capturam a espécie, tratam com pasta vampiricida para que outros da mesma espécie sejam eliminados. Além disso, enviam 10% das amostras para realização de exames laboratoriais. “Temos um trabalho contínuo, que vem sendo intensificado desde o ano passado, com intuito de colaborar com a prevenção da doença em animais e humanos”, disse o presidente da Adapec, Humberto Camelo.

Exibindo José Veloso (3).jpg

O responsável pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, José Emerson Cavalcante, explica que o controle da raiva é um grande desafio, pois não tem como erradicar a doença devido a existência de espécies de morcegos envolvidas na transmissão. A solução, segundo José Emerson, é a colaboração de todos os envolvidos. “Cabe aos produtores rurais vacinarem o rebanho contra a doença, notificar a Adapec a existência de abrigos ou esconderijos dos morcegos, além de informar casos de agressão em animais, para que as providências sejam tomadas”, disse.

Parcerias

Em janeiro de 2017, a Adapec e as secretarias estadual e municipais de saúde iniciaram uma parceria para promover a capacitação sobre a raiva rural e o principal transmissor, que é o morcego hematófago, direcionada aos agentes de saúde local, uma vez que eles têm mais contato com a raiva urbana. “Temos executado um importante trabalho nesta região, pois estamos compartilhando informações que beneficiam o trabalho de ambas as partes. Esse modelo de atuação será estendido a todo o Estado”, reforça o inspetor agropecuário, José Veloso Júnior.

Sua opinião é muito importante: